CES-RJ promove seminário estadual sobre a saúde do homem no próximo dia 18 de novembro

CES-RJ promove seminário estadual sobre a saúde do homem no próximo dia 18 de novembro

O Conselho Estadual de Saúde do Rio de Janeiro promove no próximo dia 18 de novembro o seminário estadual ‘Discutindo a Política de Saúde do Homem no Estado do Rio de Janeiro’.

Idealizado pela Comissão de Educação Permanente, o evento ocorre no mês de conscientização sobre a saúde masculina, o Novembro Azul, surgido em 2003 em Melbourne, na Austrália, criado por dois amigos. “Eles escolheram o mês de novembro para deixar o bigode crescer, pois, no dia 17, já se comemorava o Dia Mundial do Combate ao Câncer de Próstata. Naquele ano, cerca de 30 amigos aceitaram participar da campanha e, como muita gente se interessava pelos bigodões, a história foi se espalhando cada vez mais”.

No Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer, o câncer de próstata, tipo mais comum entre os homens, é a causa de morte de 28,6% da população masculina que desenvolve neoplasias malignas. No Brasil, um homem morre a cada 38 minutos devido ao câncer de próstata, segundo os dados mais recentes do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

A Política de Saúde do Homem

O seminário também vai abordar a saúde integral do homem em seu âmbito regional, além de abordar a Política Nacional de Atenção à Saúde do Homem, a Política de Saúde do Homem na Secretaria de Estado de Saúde do RJ, a visão crítica sobre a política de Saúde do homem e o conceito de gênero e reflexão sobre a sobre a Saúde do homem e da mulher. Neste contexto, a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH), lançada em 2009 pelo Ministério da Saúde; e que tem como objetivo a promoção de ações de saúde que possibilitem a “promover ações de saúde que contribuam significativamente para a compreensão da realidade singular masculina nos seus diversos contextos socioculturais e político-econômicos, respeitando os diferentes níveis de desenvolvimento e organização dos sistemas locais de saúde e tipos de gestão de estados e municípios”, poderá ser debatida.

Estarão presentes o Dr. Francisco Norberto, doutor em Saúde Coletiva pela UNB – Assessor Técnico da Coordenação de Saúde do Homem do Departamento de Ações Programática e Estratégicas (DAPES) da Secretária de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde, o Dr. Giovani Dimas, coordenador estadual da Área Técnica de Atenção Integral à Saúde do Homem, enfermeiro – ATAISH/SAPS/SES/RJ e Kátia Maria Barreto Souto, doutoranda em Saúde Pública pela ENSP/Fiocruz, feminista, ex-presidenta da UBM e ex-conselheira nacional de saúde, Theo Brandon, homem trans, negro, ativista, pai de Dionísio, Técnico em informática pelo Instituto Federal da Bahia (IFBA – Camaçari), graduando em medicina pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB – Salvador) e diretor de extensão da Liga Acadêmica de Endocrinologia e Metabologia da Bahia (LAEMB – UNEB), conselheiro da Associação Baiana de Transexuais e Transgêneros em Ação – ATRAÇÃO. Edison Munhoz, conselheiro estadual de saúde do Rio de Janeiro (usuário) e Dr. Guilherme Pinheiro, conselheiro estadual de saúde do Rio de Janeiro (prestador de serviço).

O exame preventivo e as ressalvas do Ministério da Saúde e da OMS

O Novembro Azul faz parte da concordância do Ministério da Saúde do Brasil e da Organização Mundial da saúde, porém, os dois órgãos mantém certas ressalvas com que se refere aos exames para detecção do câncer de próstata.

Em que pese o fato de especialistas recomendarem que os exames de toque retal e PSA anualmente a partir dos 50 anos, “esses órgãos não indicam essas medidas de rastreamento para pessoas que não apresentam sintomas”. “Segundo essas entidades, realizar exames de rotina em homens sem suspeita de câncer de próstata pode gerar muita ansiedade com resultados falso-positivos e acarretar biópsias desnecessárias. Além disso, ao detectar uma alteração, o paciente pode ser submetido a um tratamento desgastante quando, na verdade, o achado não se transformaria em um tumor maligno”. [Fonte: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//rrc-06-prevencao-mudanca-de-paradigma.pdf]

Como participar:

O Seminário vai ao ar no dia 18 de novembro de 2021, a partir das 14h e será transmitido ao vivo diretamente da página oficial do CES-RJ no Facebook. Os participantes poderão enviar perguntas pelo chat que serão lidas ao vivo e respondidas pelos palestrantes. Para quem quiser obter o certificado de participação, basta comentar, deixar seu nome completo nos comentários e enviar uma solicitação formal para conselho@saude.rj.gov.br.

Confira a seguir a programação preliminar:

Seminário Estadual ‘Discutindo a Política de Saúde do Homem no Estado do Rio de Janeiro’

Dia: 18 de novembro de 2021. Das 14h às 17h.

14:00 – Mesa de Abertura:  Presidente do Conselho Estadual de Saúde e Secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe ou um representante.

• Coordenadora da Comissão da Educação Permanente do Conselho Estadual de Saúde, Zaira da Costa.

• Apresentação da Comissão de Educação Permanente do CES-RJ.

Mesa 1 – Política Nacional de Atenção à Saúde do Homem e Política de Saúde do Homem na SES: Dr. Francisco Norberto Moreira da Silva e Dr. Giovani Dimas.

Mesa 2 – Visão crítica sobre a Política Nacional da Saúde do Homem: Theo Brandon

Mesa 3 – Conceito de gênero e reflexão sobre a sobre a Saúde do Homem e da Mulher: Drª. Kátia Maria Barreto Souto.

Mesa 4 – A realidade da política de saúde do homem no Estado: conselheiro Edison Munhoz.

Debate: Dr. Guilherme Pinheiro, conselheiro.

Encerramento: Após debate, diante das perguntas/propostas será elaborado um documento para enviar a todos os participantes. Haverá certificado àqueles que solicitarem através do e-mail conselho@saude.rj.gov.br.

Momento Cultural:  

Local: transmissão ao vivo pelo Facebook e aplicativo Zoom.

Daniel Spirin Reynaldo/Ascom CES-RJ

Conferências, Seminários, Simpósios, Oficinas