Carta do Conselho Estadual de Saúde do Rio de Janeiro

Carta do Conselho Estadual de Saúde do Rio de Janeiro

carta (1)

Em Reunião Extraordinária virtual do Conselho Estadual de Saúde do Rio de Janeiro, realizada hoje, o Colegiado aprovou a seguinte carta relativa à situação da pandemia do novo coronavírus no Brasil.    

CARTA DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO

O Conselho Estadual de Saúde do Rio de Janeiro vem a público expressar sua indignação com os recentes acontecimentos em nosso estado e no país.

O governo federal resolveu assumir de vez uma postura de genocídio em relação à sua própria população. Não há outro termo para descrever o conjunto de atos coroados com a tentativa criminosa de ocultar os dados oficiais sobre a pandemia de covid-19.

Caminhamos aceleradamente para sermos o pior exemplo mundial de catástrofe no trato da doença. Países mais pobres e tão numerosos como Índia e Vietnã desmentem os argumentos populacionais para o desastre.

O governo entrega-se a delirantes discursos negacionistas e politiza de maneira inédita o uso ou não de certos medicamentos. Redes socias substituíram a literatura científica em tal tarefa.

Esperamos que o Tribunal de Haia seja o destino dos responsáveis por atual situação.

À nossa população – de maioria pobre e negra – foi negado o direito a proteção da quarentena. Não foram sequer tentadas as medidas econômicas que mundialmente salvaguardaram as medidas sanitárias. Autônomos, desempregados e pequenos e médios empresários tiveram que escolher entre o colapso econômico e a doença.

A ajuda emergencial (garantida pela oposição) foi ofertada de forma caótica e incompetente, contribuindo para aglomerações, e até hoje não inteiramente paga.

O direito ao lucro imediato e a manutenção dos preceitos ultraliberais foram sobrepostos ao direito à vida.

No plano estadual a situação não é melhor.

O que no início aparentava ser uma gestão que seguia o aconselhamento técnico no trato da pandemia demonstrou sucumbir a velhos hábitos: as já lamentavelmente conhecidas “organizações sociais” foram alvos de denúncias graves, produzindo as tristes e, também conhecidas, rodadas de prisões de gestores. Assim como a “fila única”, que garantiria o acesso igualitário ao tratamento hospitalar, segue não sendo cogitada.

Nessa última semana governo federal, estado e o município da capital unem-se na opção estapafúrdia de sair oficialmente da quarentena (que já não vinha sendo obedecida e garantida) em plena curva ascendente da epidemia.

Gostaríamos de deixar claro para a população fluminense que, enquanto controle social, sempre nos posicionamos na contramão dessa opção deliberada pela morte. Não fomos ouvidos e aparentemente só faremos parte do “gabinete de crise” se houver pressão judicial nesse sentido.

O Sistema Único de Saúde é uma das maiores conquistas civilizacionais da sociedade brasileira.

Essa crise provou sua importância. Somos parte dele como seu elemento democrático de controle da gestão.

Ainda há tempo de remediar o crime sanitário que estamos assistindo. O SUS e o controle social fazem parte da solução.

ALEXANDRE VASILENSKAS

Presidente do CES-RJ

Rio de Janeiro, 09 de junho de 2020

Notícias do Conselho