Brasil lidera número de mortes diárias por Covid-19 no mundo em março

Foto: Pixabay

O Brasil vive seu período mais mortal desde o início da pandemia com recordes sucessivos do número de mortes e de casos de Covid-19. Com isso, assumiu neste mês a liderança global do ranking de países com mais mortes diárias pelo coronavírus.

Neste período, o Brasil superou o total de óbitos registrados no maior continente do mundo, a Ásia. É o que aponta o levantamento feito pela CNN com base nos dados da plataforma “Our World in Data”, ligada à Universidade de Oxford.

Leia também

Covid-19 pode ter chegado a Wuhan pelo comércio de animais selvagens, diz OMS

Vacinação fará efeito quando 2 mi forem imunizados por dia, diz pesquisador

Com as 1.660 vidas perdidas para o novo coronavírus no segunda-feira (29), que elevou a média de mortes ao recorde de 2.634 óbitos por semana, o Brasil atingiu 58.924 mortes somente no mês de março, mais do que o dobro de mortes registradas na Ásia no mesmo período, quando 26.625 pessoas morreram no continente mais populoso do mundo.

Ainda na comparação internacional, o Brasil registrou mais mortes do que os três países que formam a América do Norte (54.838 óbitos).

Para superar o número total de mortes contabilizadas no Brasil em março, é preciso somar todos os mortos por Covid-19 na Rússia, Itália, França, Polônia, Ucrânia, Espanha, Alemanha e República Checa. Oito destes países fecham a lista dos 11 territórios onde há mais mortes por Covid-19, e, juntos, somam 63.150 óbitos.

Os Estados Unidos, segundo colocado no ranking internacional de mortes por Covid-19, teve quase 22 mil mortes a menos do que o Brasil. Até o dia 29 do mês março morreram 35.919 norte-americanos por causa do doença.

Em março, a taxa de mortalidade no Brasil foi de 26,89 mortes por Covid-19 a cada grupo de 100 mil habitantes. Os Estados Unidos, por sua vez, tem taxa quase três vezes menor do que o Brasil, com 10,63 mortes a cada 100 mil habitantes.

Quando a comparação considera o tamanho da população, a situação de países como República Checa e Polônia é ainda mais grave do que a do Brasil. Os dois países — com populações de 10,7 milhões e 9,6 milhões de habitantes, respectivamente — ultrapassam 53 mortos por 100 mil habitantes. 

Confira a lista dos 20 países com mais mortes diárias por Covid-19 no mês de março:

  1. Brasil: 58.924 mortes / Média de mortes diárias: 2.031
  2. Estados Unidos: 35.919 mortes / Média de mortes diárias: 1.238
  3. México: 16.117 mortes / Média de mortes diárias: 555
  4. Rússia: 11.713 mortes / Média de mortes diárias: 403
  5. Itália: 10.651 mortes / Média de mortes diárias: 367
  6. França: 8.534 mortes / Média de mortes diárias: 294
  7. Polônia: 8.163 mortes / Média de mortes diárias: 281
  8. Ucrânia: 6.348 mortes / Média de mortes diárias: 218
  9. Espanha: 6.057 mortes / Média de mortes diárias: 208
  10. Alemanha: 5.987 mortes / Média de mortes diárias: 206
  11. República Tcheca: 5.697 mortes / Média de mortes diárias: 196
  12. Peru: 5.336 mortes / Média de mortes diárias: 184
  13. Hungria: 5.187 mortes / Média de mortes diárias: 178
  14. Índia: 4.957 mortes / Média de mortes diárias: 170
  15. Indonésia: 4.415 mortes / Média de mortes diárias: 152
  16. Reino Unidos: 3.774 mortes / Média de mortes diárias: 130
  17. Argentina: 3.646 mortes / Média de mortes diárias: 125
  18. Colômbia: 3.313 mortes / Média de mortes diárias: 114
  19. Romênia: 2.774 mortes / Média de mortes diárias: 95
  20. África do Sul: 2.717 mortes / Média de mortes diárias: 93

Medidas contra a pandemia

Em entrevista à CNN nesta segunda-feira (29), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, reafirmou a sua posição contra a adoção de um lockdown nacional para frear o contágio pelo novo coronavírus no país, mas destacou que “medidas mais extremas devem ser adotadas de forma localizada”.

“O erro é achar que um lockdown nacional sem que se faça a lição de casa antes seja a solução dos problemas”, afirmou. “O sistema de saúde é tripartite, medidas mais extremas precisam ser tomadas de forma localizada”.

Com o lockdown fora do escopo de ações de enfrentamento à Covid-19, o governo federal aposta na ampliação e aceleração da campanha de vacinação definida pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI). 

Na entrevista, Queiroga reforçou o compromisso do Ministério da Saúde em alcançar a meta de 1 milhão de pessoas vacinadas por dia no país e disse discutir com os membros da pasta a priorização da vacinação de professores e agentes de segurança pública, além dos grupos já listados como prioritários.

Levantamento feito pela CNN com base nas secretarias estaduais que divulgaram o balanço preliminar da vacinação aponta para 20.036.585 doses da vacina contra a Covid-19 aplicadas em todo o território nacional, o equivalente 9,73% da população brasileira tendo recebido pelo menos uma dose do imunizante.

Especialistas apontam que a imunidade coletiva de um país é alcançada com números entre 70% e 85% da população vacinada. Segundo o microbiologista Luiz Gustavo de Almeida, da Universidade de São Paulo (USP), o Brasil pode levar até 4 anos para alcançar os índices de vacinação desejados, caso siga no mesmo ritmo de hoje.

Via CNN Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s