Brasil tem 979 mortes por Covid-19 em 24 horas e passa de 189 mil

Brasil tem 979 mortes por Covid-19 em 24 horas e passa de 189 mil

Foto: Hermes de Paula

País contabilizou 189.264 óbitos e 7.366.677 casos de Covid-19 desde o início da pandemia. 15 estados estão com tendência de alta nas mortes pela doença

O consórcio de veículos de imprensa divulgou novo levantamento da situação da pandemia de coronavírus no Brasil a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde, consolidados às 20h desta quarta-feira (23).

O país registrou 979 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 189.264 óbitos desde o começo da pandemia. O número de óbitos registrados em um dia é o maior desde 15 de setembro, quando o país teve 1.090 mortes pela doença. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 777 — valor mais alto desde 17 de setembro, quando foi registrada média de 779 mortes. A variação foi de +21% em comparação à média de 14 dias atrás, indicando tendência de alta nos óbitos pela doença.

Réveillon: Rio decide ‘fechar’ Copacabana para evitar aglomeração; só moradores terão acesso e ônibus de excursão serão vetados

Em casos confirmados, desde o começo da pandemia 7.366.677 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 46.657 desses confirmados no último dia. A média móvel nos últimos 7 dias foi de 46.283 novos diagnósticos por dia — o maior valor desde o começo do consórcio. Isso representa uma variação de +9% em relação aos casos registrados em duas semanas, o que indica tendência de estabilidade nos diagnósticos.

15 apresentaram alta na média móvel de mortes: PR, RS, ES, MG, SP, MS, MT, AC, AM, AP, PA, RO, AL, RN e SE.

Brasil, 23 de dezembro

  • Total de mortes: 189.264
  • Registro de mortes em 24 horas: 979
  • Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 777 (variação em 14 dias: +21%)
  • Total de casos confirmados: 7.366.677
  • Registro de casos confirmados em 24 horas: 46.657
  • Média de novos casos nos últimos 7 dias: 46.283 por dia (variação em 14 dias: +9%)

Continue lendo em g1.com.

Aumento de casos