Vacina da AstraZeneca contra Covid-19 provavelmente precisa de “estudos adicionais”, diz CEO

Vacina da AstraZeneca contra Covid-19 provavelmente precisa de “estudos adicionais”, diz CEO

Universidade de Oxford/John Cairns/AP

Principal aposta do governo federal brasileiro contra a Covid-19, ‘Vacina de Oxford’ têm resultados contestados por especialistas

Os especialistas questionaram os resultados dos testes recentemente divulgados da empresa para a droga, fazendo com que suas ações despencassem.

A biofarmacêutica britânica AstraZeneca deve realizar um teste global adicional para avaliar a eficácia de sua vacina COVID-19, relata a Bloomberg, citando o presidente-executivo da empresa.

A notícia surge em meio a preocupações da comunidade científica e reguladores do governo sobre a eficácia e segurança do medicamento. As dúvidas surgiram após a publicação dos resultados de seus testes pela empresa.

Dúvidas sobre vacinas AstraZeneca: falta de dados, maior eficácia entre os jovens e erro experimental

Do depoimento, emergiu que os testes incluíram dois regimes de dosagem da vacina . Em um regime, 2.741 participantes receberam meia dose da vacina e uma dose completa pelo menos um mês depois. No segundo grupo, 8.895 participantes receberam uma dose completa seguida por outra dose completa pelo menos um mês depois.

O grupo que recebeu meia dose inicialmente alcançou 90% de proteção contra COVID-19, e o grupo que recebeu duas doses completas ficou apenas 62% protegido.

Pouco depois, a empresa admitiu que esse regime de baixa dosagem, embora tenha terminado com melhores resultados, estava errado .

“Agora que descobrimos o que parece ser a melhor eficácia, temos que validar isso, então precisamos fazer um estudo adicional”, disse o CEO da AstraZeneca, Pascal Soriot, em sua primeira entrevista desde que os dados foram publicados.

Provavelmente será mais um “estudo internacional, mas poderia ser mais rápido porque sabemos que a eficácia é alta, então precisamos de um número menor de pacientes”, explicou.

Dessa forma, o novo estudo seria conduzido em vez de adicionar uma seção a um estudo em andamento nos EUA e avaliaria uma dose mais baixa que funcionou melhor do que a quantidade total nos estudos da AstraZeneca.

Soriot enfatizou que não esperava que os testes adicionais atrasassem as aprovações regulatórias no Reino Unido e na União Europeia. A aprovação da Food and Drug Administration dos EUA pode demorar mais porque é improvável que o regulador aprove a vacina com base em estudos conduzidos em outros lugares, especialmente devido a questões sobre os resultados, acrescentou o executivo.

“Atende aos limites para aprovação”
Anteriormente, Mene Pangalos, vice-presidente executivo de pesquisa da AstraZeneca, rejeitou as alegações de que sua vacina contra o coronavírus é baseada em “ciência duvidosa” e afirmou que “o erro é realmente irrelevante”.

“Independentemente de como você corta os dados […], ainda temos uma eficácia que atende aos limites para aprovação com uma vacina que é mais de 60 por cento eficaz”, enfatizou Pangalos.

A Organização Mundial da Saúde estabeleceu uma meta de 50% de eficácia para as vacinas COVID-19 , um limite que Oxford ultrapassou depois que seu medicamento foi 60% eficaz em pessoas que receberam duas doses completas.

Via RT Espanhol

Sem categoria