Coronavírus

Brasil atingirá 2 milhões de casos de coronavírus já na semana que vem, aponta projeção

_112379168_brazil-154557_1280

Marca simbólica será alcançada apenas 25 dias depois de país atingir 1 milhão de casos, ou seja, quase cinco vezes mais rápido do que os 114 dias que demorou para primeira marca

O Brasil vai atingir 2 milhões de casos confirmados de coronavírus já na semana que vem, com as mortes por covid-19 chegando a 80 mil, indica uma projeção feita a pedido da BBC News Brasil pelo Laboratório de Inteligência em Saúde (LIS) da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, ligado à Universidade de São Paulo (USP).

BBC Brasil

A marca simbólica deve ser alcançada entre a próxima terça (14) e quarta-feira (15), uma semana depois de o presidente Jair Bolsonaro ter anunciado que contraiu o vírus e menos de um mês depois de o país ter registrado 1 milhão de casos.

Caso as previsões se confirmem, o Brasil chegaria ao patamar de 2 milhões de casos apenas 25 dias depois de atingir 1 milhão de casos, ou seja, quase cinco vezes mais rápido do que os 114 dias que demorou para atingir a primeira marca, no último dia 19 de junho.

O primeiro registro do coronavírus no país aconteceu em 26 de fevereiro.

Até a quarta-feira (8), segundo dados do Ministério da Saúde, o Brasil tinha cerca de 1,7 milhão de casos confirmados de covid-19 e 68 mil mortes.

Mas Domingos Alves, responsável pelo LIS, alerta que os números podem mudar “drasticamente”, com a reabertura do comércio em vários Estados brasileiros.

“Pode ser que essa marca acabe sendo atingida mais rápido do que inicialmente previmos”, diz ele à BBC News Brasil.

Ilustração do coronavírus

Segundo Alves, uma combinação de fatores acelerou a expansão dos casos de coronavírus no último mês.

A decisão pela reabertura da economia a partir de início de junho, apesar de o Brasil não ter atingido o pico, é o principal deles, em sua visão, por “razões eleitoreiras”.

“O Brasil é um dos poucos países do mundo que decidiu pelo relaxamento das medidas de isolamento social enquanto o número de casos e óbitos ainda cresce fora do padrão”, diz ele.

“O que balizou essa decisão em vários países europeus foi uma queda substancial do número de casos, óbitos e internações, seguindo o padrão da Organização Mundial da Saúde (OMS). Esses três indicadores têm que cair por três semanas consecutivas para só então um país flexibilizar as regras. E não foi isso que fizemos. Governadores e prefeitos fizeram essa opção por razões eleitoreiras”, acrescenta.

Em outro desdobramento, o presidente Jair Bolsonaro ampliou, na segunda-feira (6), os vetos à obrigatoriedade do uso de máscaras. O item de proteção deixa de ser obrigatório em presídios.

Na sexta-feira passada (3), Bolsonaro já havia vetado pontos do projeto de lei aprovado pelo Congresso no início de junho, entre eles a obrigatoriedade do uso de máscara em igrejas, comércios e escolas.

Estabelecimentos também não vão mais precisar instruir frequentadores sobre o uso correto do equipamento de proteção.

Estudos mostram que as máscaras podem reduzir substancialmente a transmissão do novo coronavírus.

Como resultado, a taxa de isolamento social no Brasil caiu para baixo de 40%, patamar semelhante ao registrado antes do fim de março, quando vários Estados brasileiros decretaram algum tipo de confinamento.

Sem isolamento social

Ou seja, sem a adesão a essas medidas, não há como interromper o contágio, assinala Alves.

“Se olharmos a curva de aceleração do coronavírus no Brasil, ela permanece positiva, diferentemente da maioria dos países do mundo. Isso não quer dizer que nosso confinamento deu totalmente errado. Pelo contrário, salvamos muitas vidas. Mas ele deveria ter sido mais intenso e por mais tempo”, assinala.

“Fizemos uma quarentena ‘à brasileira’. Nossa estratégia foi de mitigar a doença e não eliminá-la. Ou seja, achatar a curva e não esmagá-la. Não rompemos a cadeia de transmissão com o intuito de deter a pandemia”, completa.

Fato é que a taxa de transmissão, ou R0 (número básico de reprodução), sempre permaneceu alta no Brasil. O R0 indica para quantas pessoas, em média, cada infectado transmite o coronavírus. Quando está acima de 1, a doença está fora de controle e a infecção está se acelerando.

Dados da universidade Imperial College de Londres, no Reino Unido, atualizados nesta semana mostram que a taxa de transmissão efetiva da covid-19 no Brasil é de 1,11, a 23ª mais alta dos 56 países analisados com transmissão ativa do vírus.

Segundo o portal Covid-19 Analytics, da PUC-Rio, em nenhum momento desde o início da pandemia, essa taxa de transmissão esteve abaixo de 1 no Brasil, ou seja, a doença nunca foi realmente controlada.

‘Na contramão do mundo’

Alves lembra que, diferentemente de outros países do mundo que conseguiram controlar a pandemia de covid-19, o Brasil não adotou estratégias importantes, como testagem em massa, isolamento dos doentes e rastreamento de seus contatos.

Um exemplo é o Vietnã. Com quase 100 milhões de habitantes e renda per capita inferior à um terço da brasileira, o país tomou tais medidas e, até agora, tem apenas 369 casos confirmados de covid-19 e nenhuma morte.

Especialistas também apontam que declarações negacionistas do presidente Jair Bolsonaro contribuíram para dar a falsa impressão aos brasileiros de que não havia motivos para se preocupar com a pandemia.

Um estudo recente de quatro pesquisadores da Universidade Federal do ABC (UFABC), da Fundação Getúlio Vargas e da Universidade de São Paulo mostrou que, em praticamente todas as ocasiões em que Bolsonaro minimizou a pandemia, a taxa de isolamento social no Brasil caiu.

Eles também observaram que mais pessoas morreram, proporcionalmente, nos municípios que mais votaram em Bolsonaro em 2018.

Números ‘irreais’

Jair Bolsonaro

Direito de imagem© ISAC NÓBREGA/EDITOR VV/AGÊNCIA BRASIL Declarações negacionistas do presidente Jair Bolsonaro contribuíram para dar a falsa impressão aos brasileiros de que não havia motivos para se preocupar com a pandemia, dizem especialistas

Alves destaca ainda que os números oficiais estão longe da realidade. “Há muita subnotificação”, destaca.

De acordo com suas estimativas, quando o Brasil atingir 2 milhões de casos confirmados, terá, na verdade, 12 milhões de casos, uma margem de erro de 500% em relação às estatísticas oficiais.

Já sobre as mortes, ele calcula que o número oficial representa apenas 60% do total.

Nesse caso, quando o país registrar oficialmente 80 mil óbitos na semana que vem, mais de 130 mil pessoas já terão morrido de covid-19.

Essas estimativas se baseiam na premissa de que não há testes suficientes feitos no Brasil para se determinar o número de infectados.

Assim, Alves e sua equipe usaram dados da Coreia do Sul — país com um dos melhores sistemas de exames de covid-19 do mundo — para calcular a taxa de mortalidade da doença, ou seja, a proporção das pessoas que morrem em relação ao total de doentes.

Assumindo que essa taxa de letalidade da doença seja fixa para todo o mundo — ou seja, que a covid-19 mata a mesma proporção de pessoas em todos os países —, eles calcularam o total de pessoas contaminadas com covid-19 no Brasil.

Alguns ajustes pontuais foram feitos, considerando diferenças nas pirâmides etárias dos dois países e tempo médio entre internação e óbito.

Foi usando essa “engenharia reversa” que eles concluíram que o Brasil pode estar com até seis vezes mais casos do que mostram as estatísticas oficiais.

Alves diz que seu maior temor agora é com a expansão da pandemia no interior do país.

“Meu maior temor agora é o aumento substancial no número de casos de covid-19 no interior do Brasil. Cidades como Manaus (AM) e Fortaleza (CE) parecem ter passado pelo pior da pandemia, mas a situação é crítica no interior desses Estados”, diz.

“Os planos de relaxamento nunca tiveram a ver com saúde pública. Ao voltarmos à normalidade, estamos praticando um genocídio”, conclui.

Categorias:Coronavírus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s