Marcha Pela Vida

Entidades da sociedade civil lançaram a Marcha Pela Vida, nesta sexta, 29, via YouTube

Lançamento da mobilização foi nesta sexta-feira, 29 de maio, às 10 horas

Via #susconecta

Diante do espantoso número de mais de 25 mil mortes oficiais decorrentes da Covid-19 e dos inúmeros problemas sanitários e sociais provocados pela disseminação do Novo Coronavírus (Sars-Cov-2) em todo o país, entidades reúnem esforços para propor ações efetivas e uma resposta à pandemia. Representações da sociedade civil da saúde; ciência, tecnologia & inovação; comunicação; educação; políticas públicas, entre outras áreas, lançaram nesta sexta-feira, 29 de maio, a Marcha pela Vida, que acontecerá em 9 de junho. A atividade foi transmitida pelo YouTube.

O ponto de partida do movimento se origina na redação do “Pacto pela Vida e pelo Brasil”, lançado em 7 de abril pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Academia Brasileira de Ciências (ABC), Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Comissão Arns e Sociedade Brasileira pelo Progresso da Ciência (SBPC) e endossado por mais de 100 entidades. Se, à data do documento, já era apontada a necessidade de colaboração estreita entre sociedade civil e classe política, entre agentes econômicos, pesquisadores e empreendedores na conjugação de esforços para uma resposta à Covid-19, o agravamento das crises sanitária e econômica aponta que somente um amplo diálogo pode levar à resolução de lacunas que ainda se impõem e à mitigação de diversas vulnerabilidades expostas pela pandemia.

A Marcha pela Vida concentrará diversas manifestações virtuais da manhã à noite do dia 9 de junho, apontando a necessidade de ações coordenadas e em diálogo com a sociedade civil para uma resposta científica e humana à pandemia. Para além do dia de atividades, a Marcha Pela Vida irá elaborar documentos e posicionamentos coletivos que apontem caminhos para a produção e promoção de políticas públicas, coerentes e necessárias ao momento da epidemia no país.

Para Fernando Pigatto, presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), o momento é de unir forças em defesa da vida diante do cenário da crise sanitária, econômica, social e política do país. “A conquista de direitos, ao longo da história, sempre foi um processo de luta e resistência. Não podemos esmorecer, por mais que pareça difícil. Não são apenas milhares de vidas perdidas em uma pandemia, há também milhares de famílias devastadas pela dor. Vamos continuar defendendo a preservação da vida e o governo federal não pode fingir que nada está acontecendo”.

Além de Fernando Pigatto, estarão presentes as seguintes lideranças, em ordem alfabética, representantes das respectivas entidades: Paulo Jeronimo, presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI); Dirceu Greco, presidente da Sociedade Brasileira de Bioética (SBB); João Carlos Salles, presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes); Gulnar Azevedo, presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco); Ildeu Moreira, presidente da Sociedade Brasileira pelo Progresso da Ciência (SBPC); Lucia Souto, presidente do Centro Brasileiro de Estudos da Saúde (CEBES), e Tulio Franco, presidente da Rede Unida; padre Paulo Renato, assessor político da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), além de representantes de outras entidades.

Mais informações:

Abrasco
Bruno C. Dias
(21) 98578-1640

CNS
Laura Fernandes
(61) 99671.1485

Ascom CNS

Categorias:Marcha Pela Vida