Estado do Rio pode ter mais de 32 mil infectados, diz estudo

Pesquisadores da PUC-Rio apontam: falta de testes de Covid-19 põe estado com menor índice de notificação do país

 

1_teste05_16650713-16678580

Falta de testagem em pacientes suspeitos de Covid-19 pode mascarar situação – O DIA

No Jornal O Dia:

Rio – O Rio de Janeiro está entre os dez estados brasileiros que menos notificam os casos de Covid-19. É o que mostra um estudo elaborado pelo Núcleo de Operações e Inteligência em Saúde (Nois), da PUC do Rio. Segundo os dados, no estado fluminense a taxa de subnotificação é de 7,2%, o que significa que o número real de infectados pode ser quase 13 vezes maior do que o apresentado pelas autoridades. Com isso, os 2.464 casos poderiam ser, na verdade, mais de 32 mil. A falta de testes para a doença é a principal queixa da população, que já não sabe onde e como recorrer. A reclamação é confirmada por profissionais de saúde que denunciam o baixo número de exames na rede pública, como no Hospital Federal de Bonsucesso.

A média de notificação no Rio é ainda menor que a média nacional, de 8%. Segundo os pesquisadores, “o elevado grau de subnotificação pode sugerir uma falsa ideia de controle da doença e, consequentemente, levar ao declínio na implementação de ações de contenção, como o isolamento horizontal”.

Projeção indica até 12 vezes maior de casos de covid-19 no Brasil

Sem saber, no último sábado, um morador de Costa Barros, na Zona Norte, fez uma de suas últimas postagens nas redes sociais. No texto, descreveu o que sentiu no seu primeiro dia de isolamento social: “Noite mal dormida. A melhor posição era de barriga para baixo, mas quando virava, começavam as tosses”, relatou o rapaz, cuja família pediu que não fosse divulgado o nome.

Seu corpo será sepultado hoje, no cemitério de Irajá. O velório, para apenas quatro pessoas, é o procedimento adotado quando há suspeita de morte por coronavírus. Segundo a família, um dia antes, o rapaz procurou a UPA do bairro. Ele teria recebido uma injeção e foi liberado sem realizar o teste.

O problema se reflete em outros municípios. Também nesse fim de semana, uma mulher de 27 anos, grávida de 7 meses, teve a causa da morte dada como indeterminada. Segundo a família, a jovem faleceu na UPA de Queimados, na Baixada, após dar entrada com os mesmos sintomas da Covid-19, mas não fez o teste.

HFB: testes não são realizados

A falta de testes também atinge a unidade escolhida pelo governo federal como referência para o tratamento da Covid-19, o Hospital Federal de Bonsucesso. Segundo um profissional de enfermagem que pediu anonimato, a situação é precária, inclusive por falta de pessoal: “Não há médicos suficientes. O hospital está na mesma situação há muito tempo”, afirma.

Ainda de acordo com o enfermeiro, parte dos equipamentos de proteção individual (EPIs) enviados pelo Ministério da Saúde ainda não foram distribuídos entre os profissionais. Já sobre a falta de testes, ele diz: “Não são feitos os testes (nos pacientes). Eles são orientados a ficar em quarentena, em casa, sem receber o diagnóstico correto. Nós também não passamos por exames. Estamos em risco”, afirma.

Mais informações no Portal 360

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s