Dia Mundial da Saúde Mental

Dia Mundial da Saúde Mental

10 de outubro

Este dia visa chamar a atenção pública para a questão da saúde mental global, e identificá-la como uma causa comum a todos os povos, ultrapassando barreiras nacionais, culturais, políticos ou sócio-económicas. Combater o preconceito e o estigma à volta da saúde psicológica é outro dos objetivos do dia.

Esta data foi criada em 1992 pela Federação Mundial de Saúde Mental (World Federation for Mental Health).

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a saúde mental uma prioridade e defende que a questão da saúde mental não é estritamente um problema de saúde.

Neste dia realizam-se colóquios para se encontrar soluções para os problemas relacionados com a saúde mental e coordenar esforços na luta contra esta realidade. O tema do Dia Mundial da Saúde Mental é: “Dignidade na Saúde Mental: Primeiros Socorros de Saúde Mental e Psicológica para Todos”. (Fonte: Calendarr)

De acordo com uma estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), publicado no estudo “Depressão e outros distúrbios mentais comuns: estimativas globais de saúde”, divulgado em 2017, aproximadamente 320 milhões de pessoas no mundo têm depressão. No Brasil, esse transtorno atinge cerca de 11 milhões de pessoas

O Dia Mundial da Saúde Mental, comemorado em 10 de outubro, busca promover iniciativas para a construção de práticas que combatam as doenças psicológicas. Hoje, a OMS (Organização Mundial da Saúde) coloca o Brasil em primeiro lugar no ranking internacional de países com maior número de pessoas afetadas pelo transtorno da ansiedade, sendo 18,6 milhões de brasileiros com o problema.

Metade de todas essas condições começa por volta dos 14 anos de idade, mas, na maioria dos casos, o problema não é detectado e nem tratado. As consequências nesta fase se estendem à idade adulta, prejudicando o desenvolvimento e trazendo limitações ao indivíduo. (Fonte: Folha Vitória)

Política Nacional de Saúde Mental

A Política Nacional de Saúde Mental, apoiada na lei 10.216/02, busca consolidar um modelo de atenção à saúde mental aberto e de base comunitária. Isto é, que garante a livre circulação das pessoas com transtornos mentais pelos serviços, comunidade e cidade, e oferece cuidados com base nos recursos que a comunidade oferece. Este modelo conta com uma rede de serviços e equipamentos variados tais como os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), os Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT), os Centros de Convivência e Cultura e os leitos de atenção integral (em Hospitais Gerais, nos CAPS III). O Programa de Volta para Casa que oferece bolsas para egressos de longas internações em hospitais psiquiátricos, também faz parte desta Política. (Fonte: Wikipédia)

Daniel Spirin Reynaldo/Ascom/CES-RJ

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s